Os comentários do transcritor em uma transcrição de áudio

transcrição de áudio e degravação

Os comentários do transcritor em uma transcrição de áudio

Olá pessoal.

Tenta transcrever isso aqui, ó:

((tlec)) ((tlec)) ((tlec))

Agora isso aqui, ó:

((suspiro))

Ou ainda isso aqui, ó:

((tlec)) ((tlec)) ((tlec)) ((tlec))

Ou então isso aqui:

((tsc)) ((tsc)) ((tsc)) ((tsc))

Ou então isso aqui, ó:

((chuac))

Ou ainda isso aqui que eu vou falar, olha:

“Olha a bolsa, “fwipt”, subiu”.

Ou ainda não sei, qualquer outro evento, vamos dizer assim… Deixa eu ver alguma coisa que não quebra, agora vou derrubar ó – na mesa: ((paf))

Historias em quadrinhos e transcrição de áudio

Você gosta de história em quadrinhos? Então dentro das histórias em quadrinhos tem os balõezinhos, então está lá o Cebolinha falando, tlocando os eles, falando com a Mônica e tal.

De repente passa o cachorrinho – o Floquinho, o cachorrinho verde, que a gente não sabe o que é que é cabeça, o que é que é o rabo ((riso)) – é muito estranho, aquele cachorro, tem uma cara engraçada assim.

Aí o Cebolinha fala: “Letramaiúscula Floquinho, vem tomar banho”.

E aí o cachorro “swipt aaaf, some. ((acha graça))

Ou então o Mingau, o gatinho da Magali, quando vai ((acha graça)) tomar banho. É, normalmente os bichinhos fogem ((acha graça)), e aí fica aquela fumacinha lá e “vupt”.

Aquelas palavras que ficam fora dos balõezinhos dos personagens, tentam representar uma onomatopeia. Então derrubou alguma coisa, explodiu alguma coisa, “cabum”, ou então derrubou ou quebrou vidro “crás”, o Casccão lá com o estilingue na mão de repente “crás”, quebrou o vidro do vizinho lá, o Seu Juca, né? ((acha graça)) Coitado do Seu Juca.

Eu não sei, eu não sei se você gosta de quadrinhos, eu gostava bastante.

O Seu Juca era um personagem adulto, mas que ele sempre ficava louco com as crianças, e as crianças faziam tudo de boa fé, mas ele levava tudo para o outro lado e ficava maluco, sempre acabava internado em algum hospício, coitado.

O comentário do transcritor deve ser sinalizado como ((comentário))

Mas enfim, todas essas coisas de histórias em quadrinhos – e eu estou falando também de onomatopeias – tudo isso para falar sobre o quê? Comentários de transcrição como eu tinha falado no outro o vídeo, o vídeo passado que eu falava sobre “…”, que eu falei que eu uso… para representar curtas pausas silenciosas? E se o silêncio fosse maior que 1,5 segundos, eu usava comentários do transcritor.

O comentário do transcritor é sempre feito de forma muito curta, muito resumida. Então por exemplo:

((clap))

Isso aqui, ((clap)) muitas vezes a pessoa… é um jeito de demonstrar satisfação ou coisa parecida, eu coloco entre parênteses duplos “clap”.

Ou então isso aqui: ((tlec)) ((tlec)) ((tlec)) ou ((plec)) ((plec)) ((plec)).

Isso aqui: ((tlec)) ((tlec)) ((tlec)) tudo separadinho.

ou então esse aqui, ó: ((chuac)) para representar um beijo.

A utilização do parênteses duplos na transcrição de áudio

Eu achei a utilização do parênteses duplos fantástica como comentários do transcritor, que é preconizado pela ABNT.

Mas aí eu também falei: “Acho que eu posso usar para onomatopeia”.

E eu comecei a usar isso aí faz uns quatro anos atrás e até hoje eu não arrependo, ninguém me criticou pelo uso de onomatopeias porque ele dá uma fluidez para a transcrição de áudio.

As sinalizações de ênfase ou silabação na transcrição de áudio

Mas por exemplo, a ABNT também preconiza do seguinte: quando há uma ênfase, quando a gente é enfático ((enfatizou)) numa palavra, às vezes a gente coloca ênfase em algumas sílabas. Então naquelas sílabas a ABNT falava que a gente devia colocar em caixa alta.

“GRANde negócio”, então colocava o GRAN com letra em caixa alta e de negócio.

Bom, eu achei que isso aí não caberia para a transcrição de áudio, não ficaria bom para leitura. Então eu coloco que enfatizou independente da sílaba, enfatizou e pronto.

Agora tem a parte da silabação também. A silabação é a gente separar as sílabas. Então por exemplo fala assim… esse exemplo está lá na UFRJ, “Eu fiquei muito cha-te-a-da”. O “chateada” foi silabado, então eu coloco lá “Eu fiquei muito chateada ((silabou))”.

Ou até no soletramento: “Ah, o seu nome… como que é? É… como é. Que se escreve? Ah, tá. JOHN ((soletrou)), John, é isso?”. Então eu coloco JOHN tudo maiúsculo e aí entre parênteses duplos “soletrou”.

“JOHN ((soletrou)), é isso?”

Então ficou uma coisa tão bacaninha de usar esse comentário que eu passei a usar tentando ser sensível à necessidade do falei.

Sinalizamos tosse na transcrição de áudio?

Por exemplo, tosse. Não é necessário sinalizar tosse, a não ser que seja uma pesquisa sobre doenças respiratórias ou que envolvam tosse comum dos sintomas.

Ou então, quando é documentário de cinema, a gente está ajudando a fazer um documentário, então tem a transcrição daquele trecho de filme e aquilo lá vai ser editado.

Então o roteirista pede para a gente sinalizar cada início de frase. Mas ao mesmo tempo eu procuro sinalizar as tosses, os barulhos que se fazem.

Por exemplo, a pessoa começa a dar risada, “kkkkkkk”, eu colo ” ((risos))”. Mas a pessoa está gargalhando tanto que de repente faz o quê? “kkkkkkk rronc”, respora fundo e faz esse som que lembra um ronco. Isso aparecer num documentário é meio chato, não fica legal. Então para salvaguardar a imagem daquela pessoa, eu coloco lá ((ronc)) ou ((roncou)) ou ((riu e roncou)), então, alguma coisa para ajudar o roteirista.

Então é no sentido de ajudar ((enfatizou)) o cliente é que eu coloco essas ênfases por exemplo, está certo?

Discursos políticos apresentam excesso de ênfases, é melhor não representar na transcrição de áudio

Agora, quando é discurso político, que a pessoa está inflamada, eu não sei se vocês chegaram a conhecer o Enéas, aquele médico cardiologista muito ((enfatizou)) inteligente. Ele era calvo, uma barba enorme. Ele era pequeno mas usava um óculos fundo de garrafa, ele ficava vociferando quando falava na televisão e chamou muito atenção porque fala: “Meu nome é Enéas ((enfatizou))”.

Então se a gente fosse colocar tudo o que ele enfatizava, e aí ia ficar só ” ((enfatizou))”, ” ((enfatizou))”, ” ((enfatizou))”, ia ficar muito poluído.

Então nesses casos, quando a pessoa enfatiza muito, por exemplo político, eu não coloco nenhuma ênfase.

Aí sinto muito porque aí já é um recurso discursivo e aí acaba poluindo a transcrição demais.

Então no discurso muitas vezes é o conteúdo do discurso que importa – não é verdade? – e não a forma como o discurso foi proferido, porque os livros não vão registrar isso, então eu coloco lá, e também nunca ninguém reclamou que faltou comentário.

Então depende muito realmente do uso. Então a gente imagina o uso e de repente se o cliente liga aqui eu falo, “Olha, nos utilizamos comentários. Para que é que você quer a sua transcrição?”, “Ah, eu quero para isso”. “Ah, OK”.

Então me parece que esse é o melhor caminho, a gente dá uma discutida por exemplo para tentar detectar mentiras, a gente já recomenda a transcrição de áudio literal, ou seja, não cortar nada.

E enfim vai, são vários os tipos de transcrição de áudio, mas a gente trabalha basicamente com dois ou três tipos: o literal – que não corta nada –, o editado que corta algumas coisinhas, e o supereditado que tenta arrumar, além da ortografia, sintaxe e a gramática. OK?

Bom. Basicamente então é isso que eu tinha a falar acho que sobre comentários de transcrição de áudio.

Conclusão sobre comentários do transcritor na transcrição de áudio

Ah, sim. E esse aqui, ó: ((suspirou)), esse é o famoso “suspiro” independe se a pessoa cansou ou ((riso)) já está… ((acha graça)) já se encheu de dar entrevista e não quer mais falar nada.

Ou então no meu caso, “ufa, esse vídeo foi dose para produzir, viu”. Porque tinha cachorro, é por isso que eu falei de cachorro. A cachorrada aqui do vizinho fica ((acha graça)) fazendo uma barulheira, e várias vezes eu tentei gravar e era aquela zona.

Então é por isso que eu acabei dando risada e falando do Maurício, do gatinho da Magali, que eu também tenho um gato de estimação que fica por aí e ele também faz uns “vupt”.

Então é isso, aí eu lembrei dos quadrinhos e falei: “É uma analogia muito boa”, os turnos fala são os balões e as onomatopeias são essas letras mais explosivas que aparecem nas histórias em quadrinhos, que para a gente é o quê? É o “crás”, tudo desde que não proferido por nós, “fwipt”, parênteses duplos, OK?

Então, até a próxima.

Links referentes à série curso de transcrição de áudio

Saiba mais sobre as Regras de Transcrição de Áudio

www.transcricoes.com.br

www.transcritores.com.br

01 Como fazer uma transcrição de áudio

de qualidade

02 Quais são os tipos de transcrição de áudio

03 Medindo a sua produtividade em transcrição de áudio

04 Processo seletivo para transcritor de áudio

05 Software de transcrição por ditado

06 O que faltou na gravação da JBS

07 Uso de reticências em transcrição de áudio

08 Os comentários do transcritor em uma transcrição de áudio  << você está aqui

09 Como apresentar uma incompreensão em transcrição de áudio